Nina Oliveira

"De uma coisa estou certa: não sou normal, não sou nada padronizada e não sigo regras bobas, idiotas e fúteis dessa sociedade tão mesquinha de hoje. Sou chata, sou boba, sou imprevisível. Sou corajosa, mas sou cautelosa. Costumo agir por impulso, e geralmente não me arrependo de agir assim. Tenho certeza de que não sou o que você espera. Posso ser legal, boa, doce e meiga. Mas também posso fuder com a tua vida. Não me desafie, porque vou até o fim do mundo pra te provar do que eu sou capaz. Intensamente me apaixono, e não tenho medo disso. Aliás, não tenho medo de nenhuma situação. Tenho medo é sobre o que pode acontecer depois, mas mesmo assim me arrisco. Arrisco sem ter medo de errar, e às vezes até que é bom errar né? Bom para aprender. Como dizia Nizan Guanaes, melhor o erro do que a omissão. Melhor o fracasso do que o tédio. O escândalo ao vazio. Gosto das coisas mais simples, gosto de bobeiras, gosto de gente naturalmente feliz. Tentando colaborar com o meu biógrafo, vou tentando viver a minha vida do melhor jeito possível. Errando, aprendendo, me arriscando e sem medo do que esteja por vir. Tenho que fazer tudo isso valer a pena no fina, preciso ter feito tudo isso valer a pena no final." (Aline Nemitz)

"Ela é uma moça de poses delicadas, sorrisos discretos e olhar misterioso. Ela tem cara de menina mimada, um quê de esquisitice, uma sensibilidade de flor, um jeito encantado de ser, um toque de intuição e um tom de doçura. Ela reflete lilás, um brilho de estrela, uma inquietude, uma solidão de artista e um ar sensato de cientista. Ela é intensa e tem mania de sentir por completo, de amar por completo e de ser por completo. Dentro dela tem um coração bobo, que é sempre capaz de amar e de acreditar outra vez. Ela tem aquele gosto doce de menina romântica e aquele gosto ácido de mulher moderna." Autor Desconhecido