Bárbara Couto

Braga, Portugal

Nasci em Braga no ano de 1982. Estudei no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian até ao 9º ano de escolaridade. Toquei piano, cantei muito e dancei ballet.

Decidi sair do Conservatório aos 14 anos com o intuito de seguir Direito, motivada por um sentido de justiça e ajuda ao próximo. Durante o curso de Direito na Universidade do Minho, integrei um projeto de voluntariado ao qual estive ligada até ao final do curso e que me fez questionar várias vezes se estaria no caminho certo. De todo o modo, terminei o curso no ano 2005 e comecei de imediato a estagiar como advogada numa sociedade de advogados em Braga.

Exerci advocacia nessa sociedade até ao final do ano 2008 e, apesar de desde logo me sentir desencantada com a profissão, dei mais uma oportunidade à via profissional que havia escolhido e continuei a exercer até o verão de 2012 numa outra sociedade de advogados. Relacionado com o Direito, tirei em 2009, a pós-graduação em Direitos Humanos.

Tinha uma vida (aparentemente) estável, era reconhecida profissionalmente e bem remunerada. No entanto, e principalmente desde o ano de 2010, passei a procurar várias terapias alternativas para me centrar, para me devolver a serenidade, a paz interior, e essencialmente a consciência corporal e espiritual que sentia cada vez mais perdidas com a vida agitada e stressante que tinha. O yoga e a meditação foram essenciais para esse autoconhecimento e regresso à minha natureza e missão de vida.

Entre 2010 a 2012 tive uma espécie de vida paralela: por um lado a minha profissão de advogada, por outro, o autoconhecimento e descoberta da cura através do toque. Nesses anos fiz diversas formações em áreas como o Reiki, Taças Tibetanas, Eneagrama, cultura Maya e outras. Foi, no entanto, no Shiatsu que encontrei a possibilidade de aliar o bem-estar físico que essa terapia proporciona com o auxílio nas questões emocionais e psicológicas a cada paciente. Foi com a descoberta do Shiatsu que visualizei e previ a minha mudança de profissão.

No mês de Julho de 2012, deixei definitivamente de exercer advocacia para me dedicar a tempo inteiro a essa terapia. Foi um verdadeiro “salto de fé” … que não poderia deixar de ser dado! Encontrei pessoas muito especiais durante estes anos de mudança. Esses verdadeiros mestres ajudaram-me essencialmente a transformar o medo em amor e a acreditar que o nosso propósito de vida é o benefício de todos os seres.

No ano de 2014 iniciei a minha