Cristina Barreto

Paraibana desgarrada, mas que assume as palavras de Fernando Pessoa, "minha pátria é minha língua". Arquiteta de coração e apreciando de longe as realizações estéticas dos colegas. Atualmente trabalhando na área de Sociologia, na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Tento sobreviver nesse mundo competitivo e apreciar as coisas boas da vida quando elas aparecem. E "Que todos os que se aproximarem de mim tenham vontade de cantar, esquecendo as amarguras da vida." [Paul Claudel].